domingo, 25 de março de 2012

Degustação horizontal Delas Frères 2009, uma aula de terroir no norte do Rhône!

Delas Crozes-Hermitage (RP92), Côte-Rôtie Seigneur de Maugiron (RP93+), Hermitage Domaine des Tourettes (RP98) e Hermitage Les Bessards 2009 (RP100)

Poucas vezes tive a oportunidade de apresentar uma degustação de vinhos onde o terroir fosse tão decisivo e marcante no resultado final dentro da taça. Estes quatro vinhos, elaborados praticamente da mesma maneira, com uvas 100% Syrah, fermentadas em cubas abertas de concreto e amadurecidas em tonéis e barricas de carvalho francês (majoritariamente de 1º e 2º usos), expressam nitidamente suas diferenças, justamente pela diversidade de climas, solos e altitudes que os compõem.
Desde o Crozes-Hermitage produzido nos arredores da vila de Tournon, nas margens planas do rio Rhône, passando por seus irmãos das encostas muito inclinadas da colina de Hermitage, até o Côte-Rôtie do cálido extremo norte da denominação, cada um deles apresenta orgulhosamente suas características particulares.
O melhor de tudo é que estes vinhos vieram de uma safra excepcional (2009), capaz de realçar ao máximo suas qualidades olfativas e gustativas, apesar de ainda estarem significativamente jovens.

Delas Crozes-Hermitage 2009

Produzido exclusivamente com uvas 100% Syrah do Domaine des Grands Chemins, pertencentes à Delas Frères, localizados na área conhecida como Les Chassis, na junção dos rios Isère e Rhône.
Colhidas à mão e no ponto máximo de maturação, as uvas fermentaram em tanques abertos de concreto e passaram por remontagens diárias para melhor extração de cor. Em seguida, o vinho amadureceu por 14 meses em grandes tanques de carvalho e parte em pequenas barricas "borgonhesas" de 1º e 2º uso, antes de ser engarrafado.
Na visão de Robert Parker, ele está melhor que o 2010, revelando notas abundantes de alcatrão, cassis, geléia de amoras pretas e terra, que lhe dão uma rica e encorpada personalidade, podendo ser bebido já e por mais 10 ou 15 anos (2011-2026).

Hermitage Domaine des Tourettes 2009

Todas as uvas desta cuvée (100% Syrah) foram colhidas manualmente e no ponto de maturação ideal de cada um dos vinhedos que o compõem (L'Ermite, Le Sabot e Les Bessards). Fermentou de modo tradicional (tanques abertos de concreto) onde as uvas foram maceradas ao longo de 20 dias. Após a conclusão da fermentação malolática, o vinho maturou por 16 meses em barricas de carvalho de 1º, 2º e 3º uso, sendo apenas 9% do total de barricas novas. Produção: 30.000 garrafas.
Na avaliação de Parker, o Hermitage Domaine des Tourettes está magnífico, com sua exuberante cor roxa, quase negra, com aromas maravilhosos de creosoto, incenso, carvão, geléia de amora, flores de acácia, chocolate branco e uma pitada de tostado. Na boca, mostra uma textura encorpada e untuosa, de baixa acidez e grande densidade. Pode ser bebido em 5 ou 6 anos e adegado pelos próximos 30 a 50 anos (2016-2066).
Delas Hermitage Les Bessards 2009

O "Les Bessards" é produzido na sub-região de Hermitage composta por uma encosta íngreme onde as vinhas são plantadas em terraços e têm uma exposição sudoeste excelente. Estas vinhas produzem alguns dos mais intensos e densos vinhos do mundo feitos com a Syrah, onde a Delas possui cerca de 25 hectares de valioso terreno. Sua colheita e vinificação segue os mesmos padrões do Hermitage Domaine des Tourettes. Sua produção porém, está limitada a 6.000 garrafas e só ocorre em grandes safras.

Para Parker, este é o vinho mais prodigioso e brilhante produzido por Delas. Sua cor roxo escura é seguida por notas abundantes de acácias, amoras, groselhas negras, couro, carnes assadas e de grafite. Possui uma textura incrível, com taninos suaves e baixa acidez. O resultado é um exemplo perfeito de Syrah feito em um dos mais majestosos sítios de Hermitage. Ele irá oferecer imenso prazer por mais de 40 anos (2012-2050).

Delas Côte-Rôtie Seigneur de Maugiron 2009

As uvas usadas no "Seigneur de Maugiron" foram colhidos à mão, parcela por parcela (70% Côte Brune e 30% Côte Blonde), no limite de sua maturação. A fermentação ocorreu nos tradicionais tanques abertos de concreto, após três dias de pré-fermentação e maceração à frio. Depois de fermentadas e maceradas por 20 dias, a fermentação malolática ocorreu em barris de carvalho e posteriormente amadureceu por 16 meses em barricas de carvalho (50% novos) e de um ano de idade. Produção: 20.000 garrafas.
Sob a lupa de Parker, o Côte-Rôtie Seigneur de Maugiron exibe aromas de especiarias, framboesa, cassis, alcaçuz, incenso, bolo de Natal e notas de bacon frito. Seu toque defumado e textura encorpada ao paladar o tornam muito agradável e sexy, perfeito para ser desfrutado durante os próximos 10-15 anos. Lembra bastante o estilo dos grandes La Landonnes feitos por Marcel e Philippe Guigal (2012-2027).

Para finalizar, minhas impressões, onde posso acrescentar que mesmo o Crozes-Hermitage, nitidamente mais tênue que os Hermitages e o Côte-Rôtie, mostrou boa expressão aromática e um sabor fresco e delicioso. Os dois Hermitages (1 de mescla de vinhedos e 1 de vinhedo único) são extremamente semelhantes, com destaque para a riqueza gustativa do Les Bessards, que mesmo muito potente, demonstra uma grande elegância. O Côte-Rôtie se destacou dos demais no quesito aromático, com grande intensidade e persistência, ricos em notas exóticas de couro, carnes embutidas e torrefação. Um conjunto de vinhos absolutamente maravilhoso!
Postar um comentário