quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Vídeo: Por dentro da majestosa adega de mais de 500 mil garrafas do Hôtel de Paris em Mônaco!

Nem todo enófilo pode visitá-la, mas pode passear 10 minutos 
(em vídeo) por dentro dela...

Eu já havia falado meses sobre essa incrível adega subterrânea do Hôtel de Paris, localizado no Principado de Mônaco, que atende especialmente os pedidos dos clientes de seus dois restaurantes estrelados no Guide Michelin (um deles, o 3 estrelas Le Louis XV do chef Alain Ducasse), mas não há nada melhor que as imagens de seu interior e conteúdo para dar a real dimensão de seu esplendor.

Acompanhe o sommelier-chefe Patrice Frank nestes dois vídeos que totalizam pouco mais de 10 minutos e deslumbre-se com a quantidade e a qualidade dos vinhos que ela abriga... Assista sentado! 




quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Coleção com quase 2.500 garrafas de vinho de advogado americano pode ser condenada a ir para o ralo!


Um advogado da Filadélfia está lutando contra as autoridades do estado da Pensilvânia para evitar a destruição das 2.447 garrafas de vinhos de sua coleção, apreendida no início deste ano.

Arthur Goldman foi acusado pela polícia de revender ilegalmente vinhos e infringir as rigorosas leis de comércio de bebidas alcoólicas da Pensilvânia. Segundo as autoridades, Goldman vendia vinhos para um pequeno grupo de enófilos quando foi flagrado por policiais à paisana.

O desafortunado Goldman aceitou uma pena de 300 horas de serviço comunitário e dois anos de liberdade condicional, mas está lutando arduamente para preservar sua coleção, repleta de grandes rótulos, especialmente dos EUA.

De acordo com um porta-voz do escritório do procurador-geral do estado da Pensilvânia, responsável pelo inusitado caso, as opções legais para a destinação desses vinhos são mesmo a total destruição ou a "doação para um hospital" (vou me internar nele...).

A Pensilvânia é o único estado dos EUA, além de Utah, que controla todas as operações com bebidas alcoólicas, levando os moradores a comprar seus vinhos, cervejas e destilados em lojas ou vinícolas do estado.

Fonte: The Drinks Business

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Painel de Degustação: Supertoscanos 2004 a 2006, uma surpreendente queda de ícones e um empate ao final...

Supertoscanos 2004, 2005 e 2006, um painel cheio de surpresas...

Como inevitavelmente acontece em degustações às cegas, a avaliação comparativa costuma deixar alguns vinhos consagrados fora da posição esperada pelos degustadores, especialmente se considerarmos também as avaliações prévias feitas pela crítica especializada.

O último painel de degustação da Desconfraria, "Supertoscanos 2004 a 2006", não foi diferente e confirmou mais uma vez essa "regrinha" que sempre faz estragos diante de alguns grandes rótulos, deixando dois dos grandes nomes desse segmento (Sassicaia e Tignanello) entre as três últimas posições da prova.

Antes de falar mais sobre o resultado do painel de Supertoscanos, vale a pena explanar um pouco sobre sua curiosa origem nesta belíssima região da Itália Central.

Os Supertoscanos surgiram efetivamente para o mundo em 1971, ano de lançamento do Tignanello (ainda que o Sassicaia já existisse de modo restrito ao consumo familiar dos Antinori desde os anos 1940) e causaram um rebuliço no tradicional modelo de vinificação da região.

Inicialmente, isso se devia a inserção de castas estrangeiras na elaboração dos vinhos, evoluindo para o uso das barricas de carvalho francês novo (em detrimento dos grandes botti tradicionais) e de outras técnicas que feriam as rígidas normas das DOC's locais. Esse desrespeito às normas levou esses vinhos para o nível mais baixo da classificação: Vino di Tavola, convertida mais tarde em IGT (Indicazione Geografica Tipica).

Apesar de tudo isso, a qualidade dos vinhos falou mais alto e o sucesso dos "Supertoscanos" estimulou que novos rótulos surgissem e conquistassem o mercado. Atualmente, mesmo com alterações nas regras das denominações de origem que possibilitariam a alguns desses vinhos se enquadrar nas DOC's da Toscana, eles preferem manter-se sob esse manto de liberdade de expressão.

De um modo resumido, quando falamos de um Supertoscano, estamos nos referindo a um vinho com um estilo de aromas muito fragrante, denso e poderoso, com taninos firmes, bem maduros e amadurecimento em carvalho novo francês.

Voltando ao nosso painel, ele reuniu oito vinhos distintos e nos trouxe algumas grandes surpresas (ou decepções) na hora de estabelecermos nossa classificação final. Veja quais foram os vinhos, inclusive suas avaliações prévias e composições individuais:

8º lugar: Argentiera Bolgheri Superiore 2006 (WS91)
50% Cabernet Sauvignon, 40% Merlot e 10% Cabernet Franc

7º lugar: Sassicaia 2006 (RP97/WS94)
85% Cabernet Sauvignon e 15% Cabernet Franc

6º lugar: Antinori Tignanello 2004 (WS94)
85% Sangiovese, 10% Cabernet Sauvignon e 5% Cabernet Franc

5º lugar: Col d'Orcia Nearco 2004 (WS87)
50 % Merlot, 30% Cabernet Sauvignon e 20% Syrah

4º lugar: Le Serre Nuove dell'Ornellaia 2004 (WS90)
40% Cabernet Sauvignon, 40% Merlot, 15% Cabernet Franc e 5% Petit Verdot

3º lugar: Castello Banfi Excelsus 2004 (WE93)
60% Cabernet Sauvignon e 40% Merlot

1º lugar (empate de dois vinhos):
Castellare I Sodi di San Niccolò 2004 (WS94)
85% Sangioveto e 15% Malvasia Nera
La Massa Giorgio Primo 2006 (RP94/WS94)
30% Merlot, 30% Sangiovese, 30% Cabernet Sauvignon e 10% Petit Verdot

No final desta semana teremos mais um interessante painel de vinhos italianos: Piemonte 1999 a 2001, certamente repleto de ótimos Barolos e Barbarescos. Fiquem de olho!

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Wine Enthusiast Top 100 Best Buys 2014: veja a lista dos vinhos que melhor harmonizam preço e qualidade!

As boas compras do ano: Wine Enthusiast Top 100 Best Buys 2014

Como acontece todos os anos nesta época, a revista americana Wine Enthusiast divulga sua seleção de vinhos Best Buys, ou seja, rótulos cujos preços de varejo (nos EUA) são iguais ou inferiores aos US$15, que melhor se qualificaram entre os todos os vinhos degustados ao longo do ano pela equipe da WE. 

A lista deste ano é encabeçada por um branco da região do Vinho Verde em Portugal, seguido por outros 99 vinhos oriundos de nada menos que 17 países diferentes, repetindo o recorde do ano passado e demonstrando como nessa categoria de vinhos as escolhas são bastante diversificadas e democráticas.

Veja a lista completa em PDF, pronta para fazer o download e consultar antes de suas próximas compras:


domingo, 19 de outubro de 2014

Humor: Entre em forma para o verão e pratique "Pilates for Wine Lovers"!

Se você não gostou de se exercitar com o famoso "Yoga for Wine Lovers", experimente essa nova modalidade de Pilates desenvolvida especialmente para nós, amantes de um bom vinho...

sábado, 18 de outubro de 2014

Gambero Rosso Tre Bicchieri 2015: os melhores vinhos do Veneto, Campania e Friuli Venezia Giulia!


Dando sequência a divulgação anual dos vinhos premiados com Tre Bicchieri, a honraria máxima concedida pelo prestigiado guia Gambero Rosso para os melhores vinhos da Itália, seguem os rótulos selecionados nas regiões do Veneto, Campania e Friuli Venezia Giulia:

Veneto
Amarone della Valpolicella  2010 Corte Sant'Alda
 Amarone della Valpolicella Campo dei Gigli 2010 Tenuta Sant'Antonio
 Amarone della Valpolicella Cl. 2010 Allegrini
 Amarone della Valpolicella Cl. 2010 Brigaldara
 Amarone della Valpolicella Cl. Caloetto 2006 Le Ragose
 Amarone della Valpolicella Cl. Casa dei Bepi 2009 Viviani
 Amarone della Valpolicella Cl. Costasera Ris.  2009 Masi
 Amarone della Valpolicella Cl. La Mattonara Ris. 2003 Zymè
 Amarone della Valpolicella Cl. S. Rocco Domini Veneti 2008 Cantina Valpolicella Negrar
 Amarone della Valpolicella Cl. Vign. Monte Ca' Bianca  2009 Lorenzo Begali
 Bardolino Cl. Brol Grande 2012 Le Fraghe
 Brut Grave di Stecca  2011 Nino Franco
 Cartizze V. La Rivetta  Villa Sandi
 Colli Euganei Cabernet Borgo delle Casette Ris.  2010 Il Filò delle Vigne
 Colli Euganei Rosso Gemola 2008 Vignalta
 Colli Euganei Rosso Serro 2011 Il Mottolo
 Cristina V. T.  2011 Roeno
 Custoza Mael   2013 Corte Gardoni
 Custoza Sup. Amedeo  2012 Cavalchina
 Custoza Sup. Ca' del Magro  2012 Monte del Frà
 Lugana Molceo Ris. 2012 Ottella
 Montello e Colli Asolani Il Rosso dell'Abazia 2011 Serafini & Vidotto
 Recioto della Valpolicella Cl. Uva Passa   2011 Villa Bellini
 Soave Cl. Campo Vulcano   2013 I Campi
 Soave Cl. La Rocca 2012 Leonildo Pieropan
 Soave Cl. Monte Carbonare 2012 Suavia
 Soave Cl. Monte Fiorentine 2013 Ca' Rugate
 Soave Sup. Il Casale 2013 Agostino Vicentini
 Valdobbiadene Brut Particella 68 2013 Sorelle Bronca
 Valdobbiadene Brut Rive di Col San Martino Cuvée del Fondatore Graziano Merotto 2013 Merotto
 Valdobbiadene Brut Vecchie Viti 2013 Ruggeri & C.
 Valdobbiadene Rive di Farra di Soligo Brut Col Credas 2013 Adami
 Valpolicella Cl. Sup. Camporenzo 2011 Monte dall'Ora
 Valpolicella Sup. 2012 Musella
 Valpolicella Sup.  2010 Marion
 Valpolicella Sup.  2011 Roccolo Grassi

Campania
Campi Flegrei Falanghina 2013 La Sibilla
Cilento Fiano Pietraincatenata 2012 Luigi Maffini
Costa d'Amalfi Bianco Puntacroce 2013 Raffaele Palma
Fiano di Avellino 2013 Colli di Lapio
Fiano di Avellino 2012 Rocca del Principe
Fiano di Avellino 2013 Pietracupa
Fiano di Avellino Béchar 2013 Antonio Caggiano
Fiano di Avellino Pietramara 2013 I Favati
Greco di Tufo Claudio Quarta 2012 Sanpaolo - Magistravini
Greco di Tufo V. Cicogna 2013 Benito Ferrara
Grecomusc' 2012 Contrade di Taurasi
Montevetrano 2012 Montevetrano
Pian di Stio 2013 San Salvatore
Sabbie di Sopra il Bosco 2012 Nanni Copè
Sannio Falanghina Fois 2013 Cautiero
Sannio Falanghina Janare 2013 La Guardiense
Sannio Falanghina Svelato 2013 Terre Stregate
Taburno Falanghina 2013 Fontanavecchia
Taurasi 2010 Urciuolo
Taurasi Ris. 2006 Perillo

Friuli Venezia Giulia
Carso Vitovska V. Collezione 2009 Zidarich
 COF Ellegri  2013 Ronchi di Manzano
 COF Pinot Grigio 2013 Torre Rosazza
 COF Rosso Sacrisassi 2012 Le Due Terre
 COF Sauvignon Zuc di Volpe 2013 Volpe Pasini
 Collio  2013 Ronco Blanchis
 Collio Bianco Broy 2013 Collavini
 Collio Chardonnay Gmajne 2011 Primosic
 Collio Friulano 2013 Schiopetto
 Collio Friulano Manditocai 2012 Livon
  Collio Malvasia 2013 Doro Princic
 Collio Malvasia 2013 Ronco dei Tassi
 Collio Pinot Bianco 2013 Franco Toros
 Collio Pinot Bianco 2013 Castello di Spessa
 Collio Pinot Bianco 2013 Picéch
 Collio Sauvignon 2013 Tiare - Roberto Snidarcig
 Collio Sauvignon Ronco delle Mele  2013 Venica & Venica
 Friuli Grave Pinot Bianco 2013 Le Monde
 Friuli Isonzo Friulano Dolée 2012 Vie di Romans
 Friuli Isonzo Pinot Grigio Gris 2012  Lis Neris
 Malvasia 2010 Damijan Podversic
 Noans 2012 Tunella
 Ograde 2012 Skerk
 Rosazzo Bianco Terre Alte 2012 Livio Felluga
 Severo Bianco 2012 Ronco Severo
 Vintage Tunina 2012 Jermann
 W.... Dreams.... 2012 Jermann

Em breve teremos os Tre Bicchieri das mais aguardadas e famosas regiões da Itália: o Piemonte e a Toscana. Aguarde!

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Painel de Degustação: 8 vinhos que quase todo brasileiro já bebeu (mesmo que negue) um dia...

Quais desses você nunca bebeu antes?

Antes de mais nada, cabe enfatizar que este é um painel de degustação "imaginário", feito para alegrar a chegada de mais um final de semana e que foi baseado numa mensagem enviada por um amigo apreciador de vinhos.

Esse painel fictício serve como uma bela paródia aos habituais painéis de degustação que costumo publicar no blog. Ele reúne 8 vinhos, 7 nacionais e 1 importado, que praticamente todos nós brasileiros já bebemos (pelo menos um deles) algum dia. Pessoalmente, confesso ter provado 5 deles, mesmo que isso tenha sido há mais de duas décadas.

Esses rótulos são muito conhecidos e podem ser facilmente encontrados em qualquer supermercado, célebres pela "qualidade" das uvas, do "terroir"privilegiado e, em alguns casos, por um caráter "docinho" inconfundível ou por serem carinhosamente chamados de "vinhos de garrafão". 

Veja a hipotética ordem decrescente de classificação dos vinhos sugeridos* e confesse (a si mesmo) que já deve ter bebido muitos deles ao longo dos primeiros anos de contato com o vinho (especialmente para quem já passou dos 35 anos...):

8º lugar: Seleção Scopel

7º lugar: Carreteiro

6º lugar: Jota Pe Moscato

5º lugar: Sangue de Boi

4º lugar: Canção

3º lugar: Galiotto

2º lugar: Château Duvalier
(esse eu já bebi muito...)

1º lugar: Liebfraumich
Quem é que nunca bebeu uma vez que seja esse alemãozinho...

* Fica a ressalva para aqueles que ainda gostam de beber esses vinhos, isso é só uma brincadeira... Saúde!

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Atelier Tormentas de Marco Danielle acaba de lançar os aguardados 5 novos vinhos da safra 2013!

Mais uma coleção de belos rótulos dignos de seu conteúdo...

Boas notícias para todos os enófilos que aprenderam a admirar ao longo da última década os vinhos autorais elaborados pelo Atelier Tormentas (leia-se Marco Danielle). Depois de um ano de espera, finalmente estão sendo entregues (para que comprou en primeur) e disponibilizados para venda os novos vinhos (safra 2013) produzidos.

Como o Marco Danielle tem um espírito inquieto e está sempre em busca do "paraíso perdido da perfeição" ele elaborou neste ano quatro versões distintas de seu aclamado Pinot Noir, visando capturar as nuances que essa casta temperamental apresenta em áreas vinícolas distintas do sul do Brasil. Como "bônus", ele ofereceu ainda um inédito (e promissor) Sauvignon Blanc que, nas palavras dele, é o melhor vinho branco que ele já elaborou.

Para descrever cada um desses 5 novos vinhos nada melhor do que ler as próprias palavras (muito francas) proferidas por seu criador durante uma pequena degustação prévia dos novos rótulos:  

Fulvia Pinot Noir 2013 (1.030 garrafas) 
12,95% - SO2 Total = 51mg/L

"De longe o melhor dos 4 novos pinots de diferentes regiões e o mais bem sucedido Fulvia Pinot Noir até hoje. O vinho tem elegância e eloqüência, e me trouxe bastante sentimento de realização. Na unanimidade dos avaliadores presentes, é o resultado que mais remete a um borgonha clássico."

Monte Alegre Pinot Noir 2013 (664 garrafas) 
12,95% - SO2 Total = 42 mg/L

"Meu segundo preferido, mostrou que há muito potencial a ser explorado para aprimorar mais e mais os resultados desse vinhedo na excelente região de Vacaria, de altura superior a mil metros e uma amplitude térmica que garante acidez refrescante e muita vivacidade de fruta, já confirmados no Sauvignon Blanc 2013 do mesmo vinhedo. A exemplo do vinho anteriormente citado, este também manteve a linha clássica, preservando o frescor e a acidez da fruta, tudo em agradável equilíbrio com uma doçura muito bem-vinda. Enquanto a Pinot Noir de Encruzilhada (Fulvia) remete a uma paleta floral intrigante e sutil, a de Monte Alegre parece construída sobre notas muito francas de frutas vermelhas ácidas."

Serena Pinot Noir 2013 (673 garrafas) 
12,13% - SO2 Total = 52mg/L

"Essa foi minha primeira vinificação com uvas biodinâmicas, e ao ouvir meu estranhamento sobre os resultados, o responsável pelo vinhedo riu com ar de superioridade respondendo que eu nada entendia de uvas biodinâmicas e que estava habituado a frutas 'tecnológicas'. Sendo as uvas mais caras que já entraram no atelier, de um vinhedo que produz apenas 200g por planta, num primeiro momento pensei tratar-se de uma desculpa baseada em esoterismo de produtor biodinâmico para justificar uma safra ruim vendida a preço altíssimo. 
Na barrica o vinho se mostrara aceitável, mas logo após o engarrafamento assumira notas metálicas e um caráter herbáceo que me desagradara completamente. Na noite da prova aqui narrada, o vinho parecia melhorando a cada dia, sem contudo livrar-se de uma inquietante excentricidade. Minha primeira nota de degustação aqui compartilhada fora bastante negativa. Depois disso, o vinho foi se transformando a cada dia, o que me deixou intrigado a ponto de repensar as palavras do produtor das uvas e aceitar a velha máxima de Shakespeare: 'Há mais mistérios entre o Céu e a Terra do que sonha a nossa vã filosofia.' [...]
Bem, mais que antes agora estimo que uma meia-dúzia de wine geeks venham a gostar desse vinho louco - com sorte. Quanto ao resto das 673 garrafas, servirá para gerar polêmicas por um bom tempo e para quebrar a monotonia."

Piratini Pinot Noir 2013 (536 garrafas) 
13,28% - SO2 Total = 22mg/L

"Da mais distante localidade da 'Metade Sul' que já exploramos, reflete uma safra de pouca qualidade, com maturação excessiva e considerável perda fenólica. Vinho a ser considerado menor em minha história com essa complicada casta, de aromas compotados e pouca fruta fresca, deve ser consumido com a atenção e curiosidade que merece qualquer vinho natural, mas sem maiores expectativas em relação à magia que tenho buscado através da casta Pinot Noir - alcançável apenas nas melhores safras e melhores pontos de maturação."

Sauvignon-Blanc 2013 (900 garrafas) 
11,65% - SO2 Total = 30mg/L

"Sou suspeito para falar desse branco, pois minha relação com ele é muito passional. E essa paixão é incondicional. Não o considero apenas o melhor branco que já fiz, mas o melhor vinho que já fiz. Isso é totalmente subjetivo e tem a ver com fatores tão abstratos quanto certo momento da trajetória de vinhateiro; certo momento da trajetória de enófilo; certo momento da busca por delicadeza; certo momento da predisposição orgânica. Gosto de pensá-lo um 'vinho de felicidade', pois brancos não filtrados de SO2 tão baixo não existem em circuito comercial. Os brancos 'tecnológicos' são os vinhos de SO2 mais alto do mercado. Poder consumir uma garrafa de branco sozinho, em toda segurança de acordar bem, é uma dádiva. Sorver esse branco a largos goles é como sorver um delicioso suco de lichias frescas recém prensadas. Um branco natural tão cristalino e ao mesmo tempo com tanto depósito me parece evocativo. A exuberância de fruta e a vibração de vida e natureza exaltam a qualidade da matéria-prima empregada, cuja força e estrutura possibilitaram manter o vinho implacável mesmo sob uma vinificação com SO2 perto de zero: mantiveram-se o nervo e a espinha dorsal, preservaram-se as nuances cítricas e a matiz fresquíssima de amarelo-lima esverdeado - fruto da maceração pelicular. Parafraseando Gravner, esse é um vinho que não me importaria se não vendesse, pois faço questão de tê-lo para mim."

Cabe ainda uma observação final de Marco Danielle sobre a vinificação de seus 4 pinots elaborados em 2013: "eles receberam mesma dose de SO2 (tecnicamente perto de zero) e foram vinificados de forma praticamente idêntica. Maiores ou menores desvios aromáticos, portanto, não são consequência de maior ou menor dose de SO2, mas sim de maior ou menor qualidade das uvas - fator decisivo para fazer frente a uma vinificação a baixo ou nenhum SO2 adicionado."

Para saber mais sobre esses vinhos e como adquiri-los, acesse o site www.tormentas.com.br

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Conheça os 10 mais famosos e/ou polêmicos colecionadores de vinhos do mundo! 1ª parte

Colecionar grandes vinhos... Uma prática cara e cheia de riscos!

Enquanto para a imensa maioria dos enófilos possuir uma adega repleta dos mais celebrados, raros e caros vinhos do mundo é um sonho muito distante e quase impossível, existe um pequeno grupo de pessoas que tornaram esse sonho numa realidade.

Muitos desses grandes colecionadores de vinhos tem boas razões para serem discretos e não fazer nenhum alarde sobre suas adegas, afinal de contas elas costumam valer muito dinheiro e a cobiça de outros colecionadores. 

Por outro lado, existem colecionadores que além de fama e fortuna, ganharam muita notoriedade em decorrência das preciosidades guardadas em suas adegas, atraindo algumas vezes, sérios problemas com a justiça.

Do nótório Thomas Jefferson, ex-presidente dos Estados Unidos ao falsário Rudy Kurniawan, conheça os 10 colecionadores de vinhos mais célebres de todos os tempos:

Hardy Rodenstock

O alemão Hardy Rodenstock é um dos maiores colecionadores de vinhos raros do mundo, famoso pelas degustações únicas e extravagantes como uma vertical de 125 safras de Château d'Yquem (1784-1991) realizada entre os dias 30 de agosto e 5 de setembro de 1998.

Em 1985, Rodenstock voltou aos holofotes ao colocar à venda uma garrafa de Château Lafite 1787 que supostamente teria pertencido a ex-presidente dos EUA Thomas Jefferson (a garrafa tinha um Th. J. escrito nela). Essa "preciosidade" foi vendida em leilão por US$ 156 mil e, diante das dúvidas sobre sua autenticidade, deu origem ao livro "O vinagre mais caro da história".

Leslie Rudd

O fundador da delicatessen Dean et Deluca possui mais de 10 mil garrafas de vinhos armazenados em sua adega sob o restaurante Press, no Napa Valley. Especializado somente em vinhos da região, Rudd abasteceu-se com os vinhos mais raros e antigos dos viticultores pioneiros do Napa Valley. 

Acredita-se que ela seja a maior coleção de vinhos da região dos EUA. A adega que abriga a coleção consiste de três grandes espaços climatizados unidos por uma sala de degustação, mas separados da adega principal, toda construída com paredes e teto de vidro.

Michel-Jack Chasseuil

Ele é o zeloso proprietário de uma das maiores e mais preciosas coleções de grandes vinhos do mundo, contendo cerca de 40.000 garrafas das principais vinícolas da França e de algumas outras partes do mundo. Uma coleção tão espetacular que foi tema de um livro chamado "100 garrafas extraordinárias da mais bela adega do mundo".

Rudy Kurniawan

Kurniawan será lembrado para sempre como um dos colecionadores de vinhos mais famosos da história, mas pelas razões erradas. Condenado a 10 anos de cadeia depois de ter sido considerado culpado de falsificar e vender milhões de dólares em vinhos raros para ricos colecionadores dos EUA.

Além da pena de prisão, Kurniawan terá de pagar US$ 28,4 milhões de restituição para suas vítimas e outros US$ 20 milhões como parte de um acordo de confisco de bens. De brinde, ele tornou-se a primeira pessoa a ir para a cadeia por vender vinho falsificado nos EUA.

Alex Ferguson

Ex-técnico do time de futebol inglês Manchester United, Sir Alex Ferguson é um conhecido colecionador, com milhares de garrafas de vinhos guardadas em suas adegas, mas que começaram a sofrer uma significativa redução.

Apenas neste ano, cerca de 5.000 garrafas pertencentes à ele, incluindo grande quantidade de vinhos do Domaine de la Romanée-Conti, foram vendidos em três leilões de caridade organizados pela Christie's que arrecadaram mais de 2 milhões de libras.

Em seguida, publicarei a 2ª parte dos maiores colecionadores de vinhos do mundo. Aguarde!

domingo, 12 de outubro de 2014

Wine Enthusiast atualiza sua excelente tabela de safras (1990-2012) para download em PDF!

Tabela de Safras Wine Enthusiast 2014 acaba de ser atualizada...

É consenso entre os enófilos que degustar um vinho elaborado nas melhores safras de uma determinada região e no apogeu de seu período de amadurecimento, oferece o clímax sensorial que cada um deles pode lhes oferecer.

Para que esses enófilos possam comprar em tempo hábil os vinhos que mais lhes agradam (das melhores safras) e tenham referências fidedignas para equacionar o momento ideal de degustá-los, uma boa tabela de safras é uma ferramenta fundamental.

Uma das melhores e mais completas tabelas de safras que conheço é a publicada anualmente pela revista americana Wine Enthusiast e que acabou de ser atualizada. Cobrindo as mais importantes regiões vinícolas do mundo, ela traz nesta edição 2014 as avaliações gerais (notas) de todas as safras entre 1990 e 2012 e indica o estágio atual de consumo dos vinhos nelas produzidos.

Se você ainda não usa ou não tem uma tabela de safras de confiança para consultar, aproveite a oportunidade e faça o download dessa daqui...